“Aquele moço veio aqui e disse que ia aferir minha glicemia, mas não entendi nada e ele também não voltou…” – E então… seu paciente está entendendo você?

Certa vez entrei num quarto e logo de cara me deparei com um paciente com um ar assustado.  Ele estava ansioso, inquieto, desconfiado. não me surpreendeu que estivesse com a pressão alta…

Conversando com ele um pouco, até chegar ao que o preocupava, falou: “Aquele moço veio aqui e disse que ia afinar, afilar… uma coisa assim… (“Aferir?” perguntei) … isso, aferir minha glicemia, um negócio assim… e aí ele não voltou mais… (“Mas… e aí, o que você entendeu dessa tal de glicemia?” perguntei) Ah, eu entendi foi é nada, só sei que ele veio aqui, furou meu dedo e foi pra lá e não voltou mais…”

Ficou óbvio que o paciente não sabia nem o que era aferir e muito menos o que era glicemia. Ele havia acabado de ser internado para uma cirurgia renal e estava ansioso por não entender nada daquilo que haviam falado para ele, muito menos a razão do procedimento pelo qual havia passado. Até então, lá com seus quarenta e pouco, tinha apenas uma pedra no rim, que nem doía…

Não só no hospital, mas em outros lugares há um mau uso e uma má alocação de recursos linguísticos que não ajudam nada (tais como aquelas expressões”no sentido de” e a “à nível de”, dentre outras). Ainda que nossa língua esteja repleta de recursos, seja na variedade de sinônimos ou estilística, utilizá-los requer contextos e propósitos adequados. Numa instituição pública como um hospital geral, é bastante comum a presença de um público bastante simples, então falar complicado pode facilmente ser sinônimo de não comunicar nada.

É importante se questionar, refletir se de fato seu paciente entendeu o que foi dito para ele, se ao menos a linguagem foi clara. A formação de alguns quadros de ansiedade pode estar vinculada a não compreensão da informação passada e quando isso pode ser percebido logo no início, é mais fácil de tratar.

Em tempo, convém ressaltar que a dificuldade de assimilar informações ainda pode estar vinculada a algum tipo de resistência (aquela conceituada pela psicanálise, que diz respeito ao não poder lidar com determinada situação por uma limitação psíquica naquele momento).  Quanto a essa dificuldade, falarei sobre ela em um futuro artigo.

Ah.. quanto ao meu paciente, acabou entendendo que aquele tal exame servia para medir o nível de “açúcar” em seu sangue e nada mais que isso. Inclusive, o valor obtido e anotado em seu prontuário estava dentro da normalidade.  “Ah, então era só isso?!?” No fim das contas passou a rir do ocorrido no restante da tarde (inclusive sozinho).  Ficou mais calmo e sua pressão normalizou. Quanto a tal “glicemia”… continuou tão boa quanto antes, afinal, nem diabético ele era.

😀

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s